Header Ads

ad

MOVIMENTO ESTUDANTIL ENTREGA REIVINDICAÇÕES A EDUARDO CAMPOS


Estudantes entregaram a Eduardo Campos uma carta com 15 pontos de reivindicações
Uma comissão formada por 27 estudantes se reuniu ontem (25) com o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, no Palácio do Campo das Princesas para discutir o reajuste de 6,5% no preço das passagens de ônibus da Região Metropolitana de Recife. O pedido de investigação sobre abusos cometidos pelo Batalhão de Choque durante as duas primeiras manifestações do movimento estudantil na região também foi outro ponto destacado.
O encontro foi acompanhado pelos secretários Danilo Cabral, da pasta das Cidades, Sileno Guedes, Articulação Social e Regional, e Tadeu Alencar, da Casa Civil, além dos deputados estaduais Luciano Siqueira e Pedro Eugênio. Para reivindicar a pauta estudantil, estavam presentes representantes da União Nacional dos Estudantes (UNE), da União dos Estudantes de Pernambuco (UEP), da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES), União Metropolitana dos Estudantes Secundaristas (UMES) e da União dos Estudantes Secundaristas de Pernambuco (UESPE), além de integrantes dos Diretórios Centrais de Estudantes da FIR, UFRPE, Unicap, Faculdade Maurício de Nassau e do campus da UPE de Goiana.
Os estudantes entregaram uma carta assinada pelas entidades com 15 pontos precisos de reivindicação. Entre as propostas elencadas, além do direito à meia passagem para aqueles que utilizam o transporte intermunicipal, estava a inclusão dos estudantes no Conselho Metropolitano de Transportes Urbanos (CMTU); gratuidade para cotistas e estudantes do Prouni; e o aumento nos créditos do Cartão VEM, que hoje dá direito a 70 passagens por mês. Eles também cobram do Estado uma Instauração da Sindicância sobre as atitudes irregulares da PM.
Eduardo Campos assegurou que a carta será prioridade do governo e consolidou, no próximo dia 20 de março, uma reunião extraordinária com o Conselho Metropolitano de Transportes Urbanos (CMTU)  para que a composição dos membros seja revista, aumentando a participação estudantil nas decisões gerais.
“A reunião foi produtiva. O governador pediu desculpas aos estudantes e se comprometeu em avaliar as pautas. Além disso, o conselho se comprometeu em nos receber mais cinco vezes durante o ano para analisarmos o caminhar das nossas reivindicações. Continuaremos mobilizando, até alcançar mais vitórias”, avaliou Thauan Fernandes, presidente da UEP. De acordo com o estudante, o governador reconheceu a maturidade dos jovens e comprometeu o governo com um tratamento prioritário e urgente da pauta apresentada.

Governador promete apurar excessos da PM

Pela primeira vez, o governador Eduardo Campos se posicionou sobre os confrontos ocorridos entre policiais e estudantes nos últimos dias, durante as manifestações contra o aumento das passagens de ônibus. O chefe do Executivo colocou que a orientação do Governo do Estado foi preservar o direito da realização do protesto, mas sem esquecer o direito do cidadão. Em seguida, avaliou que os excessos devem ser apurados e estudados, já que o objetivo dos estudantes era organizar uma passeata pacífica.
As maiores manifestações e as que sofreram mais violência ocorreram nos dias 20 e 23 de janeiro Ontem, durante a reunião, os estudantes voltaram a protestar de forma pacífica. As mobilizações contra o aumento começaram há cerca de uma semana, quando o Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros no Estado de Pernambuco (Urbana-PE) apresentou ao Conselho Superior de Transporte Metropolitano (CSTM), braço do Grande Recife Consórcio de Transporte responsável por decidir sobre o reajuste das tarifas das linhas que operam nos municípios da Região Metropolitana do Recife (RMR), uma proposta de aumento de 17,2%. Na última sexta-feira, o reajuste nas tarifas de transportes coletivos da RMR ficou definido com aumento em 6,5%, decidido pelo CSTM.

Leia abaixo a carta aberta das entidades estudantis entregue ao governador durante a reunião

O movimento estudantil em toda a sua trajetória é marcado pela irreverência e ousadia em seus protestos de rua. Foi assim ao enfrentarmos uma ditadura e exigir eleições diretas, pavimentando o caminho desse novo Brasil. E será sempre dessa forma na defesa dos interesses nacionais. A mobilidade urbana, a acessibilidade, a qualidade do transporte e a gestão das empresas que controlam esse serviço público são constantes discussões que unificam a luta dos estudantes em todos os estados brasileiros. Seja na década de 1960 em manifestações contra o aumento da passagem nos bondes do Rio de Janeiro ou no início da primeira década desse novo século, com a revolta do “Buzão em Salvador” e os mega protestos em Santa Catarina, ou, mais recentemente, com passeatas no Piauí e em Pernambuco.

Inclusive, foi com a mobilização estudantil que veio uma importante conquista, com a garantia da meia passagem estudantil na região metropolitana. Mas, para nós, não bastam vitórias pela metade. É urgente a necessidade de uma discussão um pouco mais ampla para repensarmos o transporte público na região metropolitana do Recife. Atualmente, encontramos vias engarrafadas, pontos e terminais de ônibus sem estrutura física e logística para suportar uma demanda crescente, além de muitos veículos não possuírem acessibilidade a idosos, crianças e portares de deficiência. A equação é inversamente proporcional, já que são recorrentes os aumentos das tarifas, problema crônico para o bolso do estudante, ao mesmo tempo em que não se nota uma prioridade de investimento no setor, com qualidade e infraestrutura.

O Estado precisa acompanhar com mais seriedade a responsabilidade da Grande Recife Consórcio de Transportes, empresa que detém a concessão pública de exploração do setor de linhas de ônibus na região metropolitana. Em um setor sensível e estratégico para o desenvolvimento de nossa região, o Estado não pode apenas visar o lucro advindo dessas empresas e deve, junto à sociedade, reestruturar a formatação atual do conselho do Consórcio para que tenha mais representatividade e sirva à população e não a uma minoria com os dois olhos em cifras.

Surpreendidos com a possibilidade de um aumento de 17,20% no preços das passagens, sem haver nenhum tipo de discussão, os estudantes mais uma vez usaram da criatividade. Rapidamente, um grande movimento virtual se iniciou pela Internet e se materializou em grandes passeatas de rua. O que se viu entretanto foi uma incompreensível intolerância do poder público para o debate e para lidar com a democracia. Em um surto autoritário, o que nos fez relembrar tempos sombrios que queremos esquecer, a tropa de choque foi acionada nos dias 20 e 23 de janeiro para reprimir as passeatas. Vimos novamente bombas de gás no campus da Universidade Federal de Pernambuco. A Polícia Militar usou de força desproporcional com balas de borracha e spray de pimenta contra jovens que marchavam pacificamente e empunhavam uma única arma: suas vozes.

Esperamos, como representantes dos estudantes, retratação pública do governo do estado, posicionamento já publicado em todos os jornais por meio de nota aberta de entidades estudantis. O confronto que nos interessa é o que continuaremos a travar nas ruas é no campo das ideias, formar grupos de discussões, conselhos e promover encontros entre todas as partes para podermos discutir o problema do transporte público em nosso Estado.

Diante de tudo apresentado, reivindicamos:
01. A revogação imediata do aumento da tarifa implementado desde o dia 22 de janeiro;
02. Retratação pública para com os estudantes, fruto do comportamento da Policia Militar;
03. Instauração da Sidicância para apurar atitudes irregulares da Policia Militar;
04. Imediata retirada de qualquer processo administrativo, civil ou criminal contra os estudantes que participaram das passeatas;
05. Passe Livre Estudantil;
06. Meia Passagem Ilimitada – Fim do limite de meia passagem dos estudantes;
07. Passe Livre Metropolitano para “Prounistas” e Cotistas;
08. Meia Passagem Intermunicipal Estudantil;
09. Aumento do Número de Integrações na Região Metropolitana;
10. Criação da Integração eletrônica;
11. Participação Ativa do Governo de Pernambuco na Ampliação e Qualificação do Metro, Atingindo toda a Região Metropolitana;
12. Reformular o Conselho de Transporte, Refazer a Proporcionalidade das “Cadeiras”, constituindo um conselho Mais democrático e Participativo;
13. Constituição de um controle de Qualidade dos Ônibus, instituindo patamares mínimos, como: Refrigeração, Intervalos máximos de 10 minutos entre ônibus, etc;
14. Ampliação Progressiva da Frota;
15. Ampliação das ciclovias;


UNIÃO NACIONAL DOS ESTUDANTES – UNE
UNIÃO DOS ESTUDANTES DE PERNAMBUCO – UEP
UNIÃO BRASILEIRA DOS ESTUDANTES SECUNDARISTAS – UBES
UNIÃO METROPOLITANA DOS ESTUDANTES SECUNDARISTAS – UMES – RECIFE
UNIÃO DOS ESTUDANTES SECUNDARISTAS DE PERNAMBUCO – UESPE
Patricia Blumberg
Postar um comentário