Crescimento estimado da economia em 2013 não gera pressões inflacionárias, avalia diretor do BC - Portal Muito Mais - O seu portal de notícias!!!

ÚLTIMAS DO PORTAL

test banner

Post Top Ad

21 de dezembro de 2012

Crescimento estimado da economia em 2013 não gera pressões inflacionárias, avalia diretor do BC

Kelly Oliveira Repórter da Agência Brasil
Brasília – O ritmo de crescimento da economia previsto para o próximo ano não gera desequilíbrios, como pressões inflacionárias, avalia o diretor de Política Econômica do Banco Central (BC), Carlos Hamilton Araújo, que apresentou hoje (20) o Relatório de Inflação, divulgado trimestralmente.
De acordo com o relatório, a projeção para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, no período de quatro trimestres encerrado em setembro de 2013 é 3,3%.
“É um ritmo que se acomoda confortavelmente dentro daquilo que acreditamos ser o ritmo potencial da economia brasileira”, disse Araújo.
O diretor acrescentou que os investimentos recuaram nos últimos cinco trimestres, devido a incertezas domésticas e externas. “Mas avaliamos que o relaxamento das condições financeiras, fortes ingressos de investimento estrangeiro direto, programas de concessões públicas, a gradual recuperação da confiança criam ambiente positivo para o investimento nos próximos trimestres”, argumentou. A projeção do BC para o investimento (formação bruta de capital fixo) é um aumento de 3,1%, no período de quatro trimestres encerrado em setembro de 2013.
Sobre o consumo das famílias, segundo o diretor, a tendência é continuidade do crescimento, com expansão do crédito em ritmo moderado. Também devem contribuir para o consumo os programas de transferência do governo e aumento da renda. De acordo com projeção do BC, o consumo das famílias deve apresentar expansão de 4%, no período de quatro trimestres encerrado em setembro de 2013. A previsão para o aumento do consumo do governo é 2,9%.
Araújo avaliou ainda que o setor de serviços deve ter desempenho melhor no próximo ano. Segundo ele, as reduções de taxas de juros geraram impactos para o segmento de serviços financeiros e isso não deve voltar a ocorrer no próximo ano, na mesma magnitude. “Acredito que não vamos ter repetição de redução de juros tão significativas”, disse. A estimativa do BC é que o setor de serviços cresça 3,2%, no período de quatro trimestres encerrado em setembro de 2013. A estimativa para a variação da produção agropecuária é 4,8% e para a indústria, 2,8%.
Edição: Juliana Andrade
Postar um comentário

Post Top Ad

test banner