Acordo sinaliza fim da greve de ônibus no Grande Recife

Presidente do Urbana-PE, Fernando Bandeira, fala sobre o acordo (Foto: Lorena Aquino / G1)
Presidente do Urbana-PE, Fernando Bandeira, fala sobre o
acordo (Foto: Lorena Aquino / G1)

Um acordo firmado entre os sindicatos dos Rodoviários de Pernambuco e das Empresas de Transporte de Passageiros (Urbana-PE), na manhã deste sábado (6), na Superintendência Regional do Trabalho e Emprego de Pernambuco (SRTE-PE), sinaliza o fim da greve de ônibus no Grande Recife, que entrou hoje no 6º dia. No encontro, os empresários decidiram atender a reivindicações da categoria, como não demitir ou punir os grevistas e não descontar os dias parados. Os trabalhadores se comprometeram a voltar ao serviço imediatamente.

As informações foram divulgadas pelo superintendente Regional do Trabalho, André Negromonte. O presidente do Urbana-PE, Fernando Bandeira, explica os detalhes do acordo em coletiva que começou, por volta das 12h15, sem a participação dos representantes dos trabalhadores. A paralisação, no entanto, só será oficialmente encerrada após a assembleia dos motoristas, cobradores e fiscais.

Neste sábado (6), coletivos circulam normalmente pelos principais corredores viários do Recife, como as avenidas Agamenon Magalhães, Mário Melo e Conde da Boa Vista. Na noite de sexta (5), passageiros afirmaram que tiveram menos dificuldades para voltar para casa.

Também na sexta (5), os rodoviários fizeram uma passeata pelas ruas do Centro. A caminhada pacífica, que reuniu cerca de 200 manifestantes, partiu da sede do sindicato, em Santo Amaro, e seguiu pela Avenida Cruz Cabugá, Rua do Hospício, Avenida Conde da Boa Vista, Rua da Aurora e Mário Melo.


Impasse
A categoria decidiu deflagrar greve na última segunda (1º) exigindo reajuste de 33% e melhores condições de trabalho. O sindicato dos donos de empresas de ônibus oferecia aumento salarial de 3%. Na terça (2), o pleno do Tribunal Regional do Trabalho (TRT6) decretou a ilegalidade da paralisação e determinou a volta dos profissionais ao trabalho.

No julgamento do dissídio da categoria, o TRT ainda definiu fixar, por 11 votos a 3, o reajuste de 7% para a categoria, que passa a ter piso salarial de R$ 1.605 (motorista), R$ 1.037 (fiscal) e R$ 738 (cobrador). Os valores anteriores eram R$ 1.500, R$ 970 e R$ 690, respectivamente. A categoria não aceitou o resultado do julgamento e decidiu manter o movimento até este sábado (6).

Fonte: G1 PE

Postar um comentário
Tecnologia do Blogger.