Muita emoção no velório de Dominguinhos em Recife

Por Adry Ednando


A Assembléia Legislativa de Pernambuco foi o lugar escolhido para o velório do cantor e compositor Dominguinhos.



O plenário estava bem movimentado. Amigos, familiares, políticos e os fãs estiveram presentes para dar o último adeus a um dos maiores músicos do Brasil.Diversas homenagens foram feitas a Dominguinhos, musicas foram cantadas, lembranças foram contadas.



O cantor e sanfoneiro, Waldonys, que é afilhado musical de Dominguinhos deixa o seu depoimento sobre o seu padrinho. Acompanhe:



A emoção tomou conta de todos os presentes. Veja abaixo o depoimento de Rilávia Cardoso, que é a idealizadora do Troféu Gonzagão e amiga muito próxima de Dominguinhos:



Nildo Bonequeiro também deixou o seu depoimento sobre o Cantor e Compositor Dominguinhos. Confira:


Biografia - Com informações do Wikipedia

José Domingos de Morais nasceu no interior de Pernambuco, na cidade de Garanhuns, em 12 de fevereiro de 1941. Oriundo de família humilde, seu pai, mestre Chicão, era um conhecido sanfoneiro e afinador de sanfonas. Dominguinhos interessou-se por música desde cedo, começando a aprender sanfona com seis anos de idade, quando ganhou um pequeno acordeão de oito baixos e chegou a se apresentar em feiras livres e portas de hotéis em troca de algum dinheiro junto com seus dois irmãos, com quem formava o trio Os Três Pingüins. Praticava o instrumento por horas a fio, e logo tornou-se proficiente nas sanfonas de 48, 80 e 120 baixos, e acabou por tornar-se músico profissional ainda garoto.
Em 1950, aos nove anos de idade, conheceu Luiz Gonzaga quando tocava na porta do hotel em que este estava hospedado. Luiz Gonzaga se impressionou com a desenvoltura do menino e o convidou a ir ao Rio de Janeiro. Dominguinhos o fez em 1954, então com treze anos de idade, acompanhado do pai e dos dois irmãos, indo morar em Nilópolis. Ao encontrar-se com Luiz Gonzaga no Rio, este deu-lhe de presente uma sanfona e o integrou à sua equipe de músicos, e Dominguinhos passou a fazer shows pelo Brasil e participar de gravações. Em uma dessas viagens, em 1967, conhece a cantora de forró Anastácia (nome artístico de Lucinete Ferreira), com quem se casa e forma uma parceria artística que duraria onze anos. Dominguinhos já tinha um filho, Mauro, nascido em 1960 de seu primeiro casamento. Em 1976, Dominguinhos conhece a também cantora Guadalupe Mendonça, seu terceiro casamento, do qual nasceria uma filha, Liv.
Separaram-se, mas mesmo após a separação, os dois mantiveram a amizade até a morte do cantor.
A sua integração à equipe de músicos de Luis Gonzaga fez com que ganhasse reputação como músico e arranjador e ele aproximou-se de músicos do movimento bossa nova. Fez trabalhos junto a inúmeros músicos de renome, como Gilberto Gil, Maria Bethânia, Elba Ramalho e Toquinho, e eventualmente acabou por consolidar uma carreira musical própria, englobando gêneros musicais diversos como bossa nova, jazz e pop.
Problemas de saúde
No fim de 2012, Dominguinhos teve problemas relacionados à arritmia cardíaca e infecção respiratória e foi internado no Recife, sendo posteriormente transferido para o Hospital Sírio-Libanês em São Paulo. Os médicos informaram que o cantor não deverá mais retornar do coma em que se encontra.
Apesar das declarações feitas por seu filho, Dominguinhos está minimamente consciente e apresenta leve quadro de melhora. 
Em 13 de julho, o cantor deixou a UTI, mas ainda permaneceu internado, com quadro considerado estável.

Morte

Dominguinhos estava internado no hospital Sírio-Libanês em São Paulo e morreu às 17h50 do dia 23 de julho de 2013 após sofrer complicações infecciosas e cardíacas. O músico morreu após perder uma batalha que durou seis anos contra um câncer de pulmão 8 .

Prêmios

Em 2002, Dominguinhos foi vencedor do Grammy Latino com o CD Chegando de Mansinho.
Após cinco anos sem lançar um trabalho solo, Dominguinhos voltou em 2006 a gravar pela Eldorado, na qual, Conterrâneos, 2006, agraciado no Prêmio TIM (2007) na categoria Melhor Cantor Regional.
Em 2007, Dominguinhos, concorreu ao 8º Grammy Latino com mesmo álbum na categoria melhor disco regional.
Em 2008, Dominguinhos foi o grande homenageado do Prêmio Tim de Música Brasileira.
Em 2010, foi o vencedor do Prêmio Shell de Música 2010.

Voltando ao assunto


As pessoas que estavam na frente da ALEPE, saudaram Dominguinhos seguido de aplausos



No final da tarde, o corpo de Dominguinhos foi levado em carro aberto pelo Corpo de Bombeiros até o Cemitério Morada da Paz, em Paulista, onde foi enterrado.


Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Nem o Policial conteve as lagrimas e chorou na hora do enterro, onde os músicos cantaram grandes sucessos do sanfoneiro.
Postar um comentário
Tecnologia do Blogger.