Trabalhadoras rurais participam da Marcha das Margaridas no DF - Portal Muito Mais - O seu portal de notícias!!!

ÚLTIMAS DO PORTAL

test banner

Post Top Ad

13 de agosto de 2015

Trabalhadoras rurais participam da Marcha das Margaridas no DF

Cerca de 1.500 trabalhadoras rurais pernambucanas participam da 5ª Marcha das Margaridas, que acontece nesta quarta-feira (12), em Brasília, no Distrito Federal. Já na tarde desta terça-feira (11), as trabalhadoras participaram de painéis temáticos na capital federal. A abertura oficial do evento aconteceu às 19h, com a participação de movimentos e organizações de mulheres do Brasil e de diferentes países, além de representantes do Governo Federal.

A Diaconia, através da Articulação do Semiárido Brasileiro (ASA) estará presente com faixas e cartazes pedindo um semiárido livre de violência, além de ir contra a implantação de cisternas de plástico, em defesa do P1CM e do P1+2.  A jovem Ednaiara Fernanda Galdino, filha dos agricultores Luís Carlos Galdino, conhecido como “véi” e Maria Leoni da Silva, representa o Sertão do Pajeú na marcha que tem estimativa de receber 70 mil mulheres.

Naiara é estudante de agroindústria e recebeu influência dos pais, que produzem e comercializam produtos na feira de agroecologia de Afogados da Ingazeira e Tabira, no sertão pernambucano.  Já no Oeste Potiguar, a Diaconia apoia a ida de 63 mulheres, dentre elas, 22 de Caraúbas (RN) e três de Umarizal, também no Rio Grande do Norte.

As mulheres acreditam na possibilidade da construção de um país sustentável, democrático, justo e igualitário, no campo e na cidade.  A presidente Dilma deve dialogar com as 70 mil mulheres de todo o país, ao término da marcha, no Estádio Mané Garrincha, onde apresenta os compromissos do Governo com a pauta das Margaridas.

A MARCHA - A marcha das margaridas é uma ação das mulheres de campo, da floresta e das águas, promovida pela Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), e conta com a presença de 27 federações e 11 entidades parceiras, que se consolidou na agenda do Movimento Sindical de Trabalhadores e das Trabalhadoras Rurais – MSTTR - e das organizações parceiras – movimentos feministas, de mulheres trabalhadoras, centrais sindicais e organizações internacionais

Com sua primeira edição no ano 2000, em agosto, para lembrar o mês em que a agricultora paraibana de Alagoa Grande, Margarida Alves, foi assassinada, a Marcha aconteceu também em 2003, 2007 e 2011.  Essa mobilização tem revelado a grande capacidade de organização das mulheres, que se organizam em todos os estados para marchar nas avenidas de Brasília. Por seu caráter formativo, de denúncia e pressão, e também de proposição, diálogo e negociação política com o Estado, tornou-se amplamente reconhecida como a maior e mais efetiva ação das mulheres no Brasil.

A cada edição, a Marcha das Margaridas entrega um documento para o Governo Federal, contendo sua plataforma política e pauta de reivindicações, que são objetos de apreciação, negociação e resposta, por parte do governo.

A Marcha das Margaridas também elabora uma pauta interna, dirigida ao MSTTR, com pontos considerados importantes e necessários para a consolidação de relações mais justas, democráticas e igualitárias dentro do próprio Movimento Sindical, que resultam no fortalecimento de todas e todos.
 
Fonte: ONG Diaconia
Postar um comentário

Post Top Ad

test banner