Header Ads

Programa do Governo de Pernambuco age para erradicação do trabalho infantil nas praias e cadeia produtiva do turismo

Com o recado das crianças do Instituto Maria da Penha, “criança não trabalha, criança tem que brincar, tem que ler, tem que sonhar, tem que aprender. Criança tem que estudar”, a Secretaria de Desenvolvimento Social, Criança e Juventude iniciou a nova edição do Praia Legal. A apresentação cultural de cordel ocorreu nesta quarta-feira (05/02), durante evento no Centro de Convenções, marcando o lançamento do programa, que tem como objetivo principal desenvolver ações de enfrentamento ao trabalho infantil na cadeia produtiva do turismo.

Para dar o pontapé na nova campanha, equipes da SDSCJ e da Prefeitura do Recife estarão juntas, neste sábado (08), fazendo abordagem social, a partir das 8h, no comércio e na praia de Boa Viagem, numa forma de sensibilização e prevenção à violação dos direitos das crianças e adolescentes. “O Estado está contribuindo para a erradicação do trabalho precoce através da realização de ações contínuas, levando informação, monitorando e conscientizando a população durante todo o ano. É importante nos unirmos numa só corrente contra o trabalho infantil. Essa é uma responsabilidade de todos nós, enquanto cidadãos”, pontuou o secretário Sileno Guedes. 

O programa tem uma parceria com 13 municípios litorâneos e o distrito de Fernando de Noronha, que levou seus secretários e gestores de assistência social para acompanhar as explanações, o balanço do ano de 2019 e receber o material de divulgação do Praia Legal, com panfletos, cartazes, banners, camisas com proteção UV e bonés com proteção para o pescoço. “Apesar do nome, o Praia Legal não é só na praia. É o ano todo, inclusive no período de chuva. Estamos sempre monitorando, articulando e visitando comunidades, escolas e comércio”, completou Guedes.

“Tenho o sonho de acabar com o trabalho infantil. Precisamos combater essa grande mazela social. Para isso, é importante a massificação dessa campanha”, disse o promotor do Ministério Público de Pernambuco, Leonardo Osório, que estava presente no encontro. Segundo o promotor, o trabalho infantil impede o crescimento da criança, da economia e o desenvolvimento do país. De acordo com o secretário do Trabalho, Emprego e Qualificação, Alberes Lopes, o Estado também vem realizando ações específicas nas agências do trabalho, levando informação e apoio. “Lugar de criança é na escola. Essa é uma conscientização que toda a sociedade deve ter”, enfatizou o secretário.

Durante o evento, a deputada Simone Santana, que é coordenadora da Frente Parlamentar pelos Direitos da Primeira Infância de Pernambuco, pontuou que está concluindo o diagnóstico a respeito dos direitos das crianças com até 7 anos em Pernambuco. “No Brasil, são 2,4 milhões de crianças em situação de trabalho infantil e 93% do trabalho doméstico são do sexo feminino”, informou a deputada.

Nenhum comentário